28 janeiro 2008

Uma valsa

Eis-me em plena madrugada
Os sonhos são minha força
Aguardo o despontar do sol
As lembranças são minha canção

Meu passado e a noite silenciosa

Formam um par singelo

Abraçam-se mutuamente e brindam mudanças

O raiar da historia e o amanhecer


A valsa na Iris da Lua

O samba das nuvens ao vento

As vozes dos astros em coro suave

O baile que dança meus pensamentos


A noite trouxe o movimento das minhas memórias

A chuva que respingou em quem estava por perto

Atingiu quem sente e quem vê

Depois secou e as minhas pegadas viraram pó

2 comentários:

Albert disse...

Liz

Sensacional esta ultima estrofe:

"A noite trouxe o movimento das minhas memórias

A chuva respingou em quem estava por perto

Atingiu quem sente e quem vê

Depois secou e as minhas pegadas viraram pó"

Gostei demais --> :)

Lucas disse...

Liz ficou lindo d+ esse poema seu... um dos mais bonitos que já li...