11 fevereiro 2009

Caiu!

Construí uma fortaleza
Mas quando vi, tinha cupim!
Fortaleza corroída, furada?
É tudo mentira não serve pra nada...
Os cupins comeram até cair
A minha querida fortaleza
Foi assim que eu percebi
As bobagens em que me escondi
Lá dentro eu era diferente
Lá eu podia de tudo
E detida nas suas verdades
Escondia-me dos meus medos
Ah se pudesse salvar a minha obra prima!
Ah se ela fosse realmente aquilo que eu via!
Mas agora sou livre, não é?
E por que é que tô chorando?
Porque agora sou gente sabia?
Vivo como qualquer um..
Sinto como qualquer outra..
Sem aquelas paredes de fato sou
Ora, ser sem ela é uma verdade mais forte...
Só que agora preciso que me amem
Individualmente
Sem que sinta única e protegida
É um precisar difícil sem aquela fortaleza que eu tinha...

2 comentários:

lucas rolim menezes disse...

Oi querida amiga!
Quero me dispor mesmo a sentir essa liberdade que Deus tem me proporcionado do lado dele. Essa liberdade de mim mesmo, da minha "linda" fortaleza... Realmente seria bom se as pessoas me amassem agora que, teoricamente, estou desprotegido de mim, e estou aprendendo quem devo ser realmente. Mas isso não importa tanto quanto perceber que o melhor amor que podemos sentir e estar seguros é aquele responsável por quebrar nossa obra prima: o amor de Deus.
As pessoas só vão nos amar de verdade quando reconhecerem a necessidade e a benção de que suas fortalezas precisam ser quebradas tbm, pelo mesmo amor que quebrou a nossa.
Abraços fraternos, maninha.
Saudades

Ivny disse...

Oi irmã,
sinto esperança quando percebo que ainda existe amor mesmo que nossa fortaleza tenha ruído e nossas mazelas estejam expostas. Existe o amor de Deus, como o Lucas bem disse aí em cima, e também existe o amor dos outros....este me parece mais real quando se é amado pelo que realmente se é.
Tá! Na teoria é fácil...eu sei, eu sei...rs
Mas há esperança... pq ainda que cansadas permanecemos caminhando... lado a lado.
um abraço com saudade!