30 março 2009

canção da noite.


Quão profundo abismo criei
Olhei para os cacos e não vi a luz
Que brilhava um vitral cheio de cores e vida.
O vitral era eu,
Sou eu
Sou eu
Os cacos sou eu.

"Tem misericórdia de mim ó Deus,
por Teu amor, por Tua compaixão.
Lava-me de toda minha culpa" (SL 51.1-2)

"Cria em mim ó Deus um coração puro,
e renova em mim um espírito estável
devolve-me a alegria da Tua Salvação" (SL 51. 10, 12)

6 comentários:

lucas rolim menezes disse...

Sou eu
Sou eu
Os cacos sou eu

(é música esse poema?)

bjs

lucas rolim menezes disse...

óbvio... canção da noite
:P dãã

Ivny disse...

Que bonito Liz!
fiquei aqui...pensando nos vitrais...rs

bjos

Lissânder disse...

Ouvi sua música "somente" várias vezes hoje à tarde. Muito boa!
Ela me inspirou a escrever um texto para meu blog.

Acácia disse...

tb

lucas rolim menezes disse...

Liz, mudei de endereço!
Vê la o q acha...
www.mundodelucas.wordpress.com

saudades
abraços