30 janeiro 2006

descanso

Teu sangue precioso me transforma
enquanto minhas cisternas são rotas

Tua fonte jorra águas vivas
Absoluto és nesses dias relativos
enquanto me escondo nessas grotas
esbanjas tua luz gentil

Tua voz ainda ecoa suave
Tua voz ainda ecoa triunfante
forte e vibrante
mansa e admirável
e sempre será assim

toda a terra repousa segura
nada se move ao acaso
todo detalhe expressa
todo canto confessa
essa Tua exuberância
Suma fragrância
que hoje me cerca firme

sinto-me tua
chamaste-me porque ainda és paciente
porque teu amor ainda manifesta-se rente
sou grata pela virtude
paz imensurável
e toda amplitude que contemplo contente
fazem meus olhos transbordarem
porque seu sangue me vivifica
precioso sangue sem medida

Um comentário:

Taty disse...

Ele é o cara!!!